ADAPTWEAR
Você deve estar se perguntando o que é isso né kkk
Calma calma que vou explicar. É uma moda adaptada para quem tem limitações físicas, que vende roupas adaptadas não só para quem tem limitações físicas permanentes como temporárias também. A criadora dessa grande ideia é Ana Cristina Ekerman e no site da Olook tem uma entrevista incrível com ela e trouxe pra vocês.
Confiram:

Como surgiu a ideia da marca?
A ideia surgiu em 2009 quando fui aos Estados Unidos visitar uns primos. A esposa de um deles, Susan, tinha iniciado um negócio de vendas on-line de uma linha de meias voltadas para crianças e adolescentes com síndrome de pé pendente. E este negócio foi inspirado por seu filho Ross Daniel, que nasceu com paralisia cerebral.
Aquilo ficou na minha cabeça… Existe algo assim no Brasil? Existe algo confeccionado especificamente para pessoas com necessidades especiais como Ross?
Comecei a pesquisar o mercado de deficientes físicos no Brasil e percebi que havia um potencial enorme para uma oferta do gênero. Segundo o IBGE, temos cerca de 45 milhões de deficientes físicos no país. Além disso, devemos considerar que a população brasileira está envelhecendo. A moda da Adaptwear não é só para deficientes físicos, mas para todos que têm algum tipo de limitação. Pode ser inclusive temporária, como a gerada por uma operação.

Qual é a diferença entre moda adaptada e moda comum?
Pretendemos justamente trazer as tendências da moda “comum” para nossas peças. O que difere as peças adaptadas são as funcionalidades oferecidas para facilitar o dia-a-dia das pessoas com limitação de mobilidade. Nossas peças são elaboradas justamente para que se assemelhem a peças comuns, de moda.
Por exemplo, colocamos botões nas peças, mas eles são meramente adornos: nossos fechamentos são sempre feitos com zíperes ou velcro. O melhor exemplo disso é a camisa adaptada (vídeo)
Pensando nos cadeirantes, a modelagem das roupas se diferencia um pouco para proporcionar mais conforto para quem fica o dia todo sentado, têm maior sensibilidade de pele, têm que lidar com a transferência da cadeira para carros etc.

Quais são as principais adaptações nas peças?
- Modelagem especial para cadeirantes, como calças e saias
- Uso de tecidos com elastano nas calças e saias, para dar maior conforto
- Uso de velcro e zíperes para aberturas de peças
- Uso de roletês ou puxadores em argola para facilitar o manuseio de pessoas com deficiência na coordenação fina das mãos
- Cuidados de proteção à pele como costuras especiais ou abas protetoras de zíperes

Quais são os principais desafios de uma linha especial?
Acredito serem dois os principais desafios. O primeiro é encontrar fornecedores de confecção, já que as peças são bem detalhadas e o volume de produção ainda é pequeno. O segundo é fazer com que pessoas que são deficientes físicos ou estejam passando por um momento de restrição de mobilidade saibam da existência da oferta deste tipo de produto. Para isso, as redes sociais são de fundamental importância e a parceria com terapeutas ocupacionais, associações e formadores de opinião.

Quais tipos de limitações a linha atende?
A linha atende a todos que eventualmente se encontram com uma doença que limita ou afeta os movimentos do corpo, como paraplegia, tetraplegia, Mal de Parkinson, AVC e Esclerose múltipla. Atende homens que necessitem usar sonda urinária (temos uma calça com bolso interno para bolsa coletora de urina). Atendemos também mães que estão amamentando, com nossa linha de regatas, blusas sem manga e vestidos que possuem aberturas que facilitam a amamentação.

Se depois dessa entrevista você ainda tem dúvida como são as roupas, vejam esse vídeo:


É uma ótima ideia né. E mesmo com adaptações, as roupas não perdem estilo.
Se quiser conferir mais roupas, clique aqui.
Fiquem com essa reflexão:
E o mais importante não é a gente andar bem vestida e na moda, é a gente se sentir bem do jeito que somos, sendo gordinha, magra, alta, baixa, enfim, sendo do jeito que Deus nos criou. Se você se sentir bem com você mesma, o resto vem de brinde.
Até a próxima!

Deixe um comentário